quarta-feira, novembro 12, 2008

Um dia para lembrar de não parar de existir

(Ou 11 de novembro: manhã à noite)
Lehgau-Z Qarvalho

Era dia de aniversário. Dia de renascer, ou apenas seguir em frente. Um dia como outro dia. Seguido de outro e outro dia. Ou um dia de sol único. Intransferível. Como todo santo dia. Um dia para se readaptar; se retransferir. Um dia para guardar onde mais se pode rir. Onde voltar também é ir. Um dia para se auto idolatrar; ou se desmentir. Um dia para lembrar de não parar de existir. Um dia de gentes e afagos. Um dia de possíveis vozes em embargos. Um dia para decidir; entre lucros e encargos; que os bons dias só acontecem em dias como outros dias. Seguidos de outros e outros. Ou em dias de sol. Únicos. Santos. Dias em que a vida nos paga o devido salário, e nos toma emprestado, para acertar outra vez as contas, com os devidos juros, sempre em dias de aniversário.

2 comentários:

Ana Lucia disse...

Graças a este profano, vivas ao gênero humano!

Valentina disse...

Comoooo Vocêê conseeeegueeee expressaaar tristezaaaa e alegriaaaaa ao mesmoooo tempooooo?!?!?!?!?!?!?!?!?! Como consegueeeeeee?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!
:):):):):):):)